• Paulo Dias F.

Balanço Patrimonial, o lucro está aqui?

#BalançoPatrimonial, #AnáliseFinanceira, #Lucro, #Custos, #Imobilizado, #Estoque



A Empresa existe há anos. E a dúvida sempre é se o negócio vale a pena, é lucrativo. Aliás, a pergunta melhor seria:

-Por que não vejo o dinheiro do resultado do meu lucro?

Um dos sinais que os negócios estão indo bem é o enriquecimento da Pessoa Física. Os sócios, quando começaram o negócio, não tinham veículos próprios quitados, não tinham imóveis próprios, não tinham viagens a passeio na história de suas vidas...



Outro sinal é o enriquecimento da Pessoa Jurídica. A empresa começou com um caminhão velho, usado. Hoje, possui uma frota de 8 caminhões seminovos, etc.

No entanto, a confusão mesmo quanto ao enriquecimento em função de lucros acumulados e reinvestidos na empresa é com o estoque.

Encontra-se em muitos controles financeiros das empresas o gasto com os fornecedores de produtos (mercadorias) como se fosse custo. Custo da Mercadoria Vendida (CMV) é o valor da mercadoria vendida, como o próprio nome diz. Se esta mercadoria que está no estoque ainda não foi vendida, não é custo. Daí a importância do Balanço Patrimonial para demonstrar as variações das Contas... Patrimoniais, do Balanço Patrimonial.

Digamos que uma empresa fature R$ 100.000,00 por mês. E que os custos das mercadorias vendidas (CMV) seja de R$ 50.000,00.

Visando ter um estoque para uns três meses, a empresa compra de um fornecedor, R$ 150.000,00, sendo 50% a vista, 50% em 30 dias.

Veja que, se for considerado por regime de caixa o pagamento de R$ 75.000,00 aos fornecedores este mês, o meu resultado por competência (DRE) fica “espremido”. Porque o resultado é apropriação do custo da mercadoria vendida no período. Venda de R$ 100.000,00, CMV de R$ 50.000,00. Como será pago R$ 75.000,00 aos fornecedores, não posso considerar este valor como custo. Muitos controles financeiros de muitas empresas fazem isto. Consideram o pagamento das compras aos fornecedores como custo. Está errado!

Por quê?

Porque o valor sai do caixa (ou conta corrente bancária) da empresa e vai para amortizar uma dívida que tenho com o fornecedor.

Ao comprar R$ 150.000,00 em mercadorias do fornecedor e receber a mercadoria, o Balanço Patrimonial fica assim:

1) Deverei R$ 150.000,00 ao fornecedor, sendo que assim que chegar os produtos (mercadoria), R$ 75.000,00 para pagamento a vista, R$ 75.000,00 para pagamento com prazo de 30 dias.

2) O saldo inicial do caixa da empresa é de R$ 100.000,00 (por exemplo).




1) Mercadoria comprada e recebida:



Notar que ainda não foi paga a parcela inicial de R$ 75.000,00. Por isto, o caixa continua com R$ 100.000,00 de saldo.

No entanto, o estoque já apresenta R$ 150.000,00 de valor em produtos, em mercadorias.

Por outro lado, no meu Passivo, devo R$ 150.000,00 ao fornecedor:

(sendo R$ 75.000,00 para pagamento a vista, R$ 75.000,00 para pagamento em 30 dias).


1) Procedo o pagamento inicial de R$ 75.000,00, conforme combinado com o fornecedor.

O saldo da conta “Caixa/Bancos” diminui de R$ 100.000,00 para R$ 25.000,00.

Em compensação, meu Passivo em relação aos fornecedores, diminui de R$ 150.000,00 para R$ 75.000,00.



Notar que, no início, antes da compra dos produtos, o patrimônio da empresa se resumia ao saldo da conta: R$ 100.000,00.

E que, depois da aquisição do estoque, continua sendo o Patrimônio Líquido, de

R$ 100.000,00.

Apesar do total do Ativo ter aumentado de R$ 100.000,00 para R$ 175.000,00.

Notar que, para alavancar este valor de R$ 75.000,00, o fornecedor me “empresta” dinheiro para comprar a mercadoria dele, com um prazo de 30 dias.

Assim, o total do meu Passivo aumenta de R$ 100.000,00 para R$ 175.000,00. Ficando equilibrado, portanto, Ativo e Passivo.

Ou seja, há mais valor na empresa por conta do aumento do estoque (Ativo).

Em compensação, também tenho uma dívida, um valor a pagar aos fornecedores (Passivo).

Enquanto não for vendida um item do estoque, não há variação de aumento do Patrimônio Líquido neste nosso exemplo.


Por isto a insistência, em função da minha experiência como consultor de empresas que, sem os três controles essenciais financeiros (Fluxo de Caixa, Demonstrativo de Resultados-DRE e Balanço Patrimonial) fica muito difícil enxergar o que acontece na organização.

É fácil, fácil encontrar organizações que precisam de um estoque mínimo para operar por três meses (no nosso exemplo acima, 3 x R$ 50.000,00 = R$ 150.000,00) com estoques de R$ 500.000,00.

Ou seja, estoque para operar por 10 meses!!!. Pra que isto, gente?

Voltarei a abordar o assunto. Com a expectativa que, você, empreendedor, empresário, tenha ciência que:

1) Pagamento aos fornecedores não é custo. É variação nas contas patrimoniais. Somente o Balanço Patrimonial pode demonstrar isto. (Ou um bom Plano de Contas, também);

2) Cuidar para não ter estoque além do necessário para suas operações periódicas.





Coloque sua organização na rota de sábias decisões e de excelentes resultados.

Dúvidas e comentários?

Soluções para sua organização?

Paulo Dias F. www.pdconsultoria.com.br











Quer ver esta abordagem deste assunto em vídeo?



22 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo